Anjos, Lisboa, 2014

Tigre Papel, Lisboa, 2016

Liverpool, Lisboa, 2009

Paredes, Alenquer, 2017

Zaire, Lisboa, 2011

Valmor, Lisboa, 2017

Escoural, Lisboa, 2010

Av. E.U.A., Lisboa, 2016

Moçambique, Lisboa, 2010

Expo, Lisboa, 2010

Ajuda, Lisboa, 2007

Karmel, Torres Vedras, 2010

Eira da Palma, Tavira, 2009

1 Desde 2007 que tenho vindo a construir um caminho de convergência entre investigação e prática profissional. Enquanto investigador doutorado pela FAUP, tenho trabalhado no âmbito da história da arquitectura portuguesa e, mais recentemente, sobre os processos de participação e os movimentos sociais do pós-25 de Abril. A expressão dos meus projectos tem resultado de uma pesquisa em torno da identidade da arquitectura portuguesa e de um equilíbrio entre o desenho do lugar, a construção de um modo de habitar e uma ideia de conforto.

APP14

SAAL para a Geringonça

Ponto de partida para um compromisso

Tendo como pano de fundo o processo SAAL e os compromissos alcançados durante um curto, mas intenso período de tempo, entre 1974 e 1976, interessa-nos recuperar as experiências que resultaram deste processo e discuti-las no contexto da Geringonça e dos projectos que, no plano da habitação e do planeamento da cidade, possam ainda vir a ser desenvolvidos de acordo com objectivos e políticas comuns.
Com base na estrutura do SAAL, organizámos três ideias sobre cidade, arquitectura e democracia para falarmos, respectivamente, sobre a luta dos moradores pelo direito à habitação, os modelos de intervenção na cidade e a ideia de democracia participada ensaiada naquele tempo.
Esta divisão procura fazer uma ponte com a estrutura da Geringonça e recuperar o debate ideológico desencadeado pelo SAAL, para reflectir sobre o direito à cidade, os modelos de participação e os desafios de uma política de esquerda na contemporaneidade.